Todos dormimos sós

Comecei a refletir sobre esta intensa busca do ser humano pelo outro ideal. Aquele ser que ansiamos e pedimos a Deus todas as infindáveis noites que esteja presente na nossa vida.
Aquela utopia que ficamos implorando de olhos cerrados, sem ver as pessoas maravilhosas que circulam a nossa volta…
Ficamos a maior parte da nossa vida buscando em nosso álbum de sentimentos um rosto para encaixar na legenda de Ilustre desconhecido, aquele que consideramos nosso objetivo principal no campo amoroso.
Mas acontece que a gente nunca está contente – quando achamos que encontramos, o prazo de validade é curto. Logo o produto está estragado porque ele não corresponde àquilo que esperamos.
“Sabe, ele tinha um dentinho quebrado que me incomodava…” ou “Ele fuma” ou até mesmo o mais famoso clichê – “Éramos tão diferentes”… (Graças a Deus que eram! Imagina se fosse iguais? Que graça teria?!)
Por isso logo a gente se cansa sem mais nem menos, e deixa a fila seguir adiante. Sem a mínima vomtade de se conhecer de verdade antes de jogar tudo para o alto.
Quer que eu te fale a verdade? Ninguém sabe nada e só quer aquilo que não pode ter. Somos viciados em descobertas. Loucos por breves novidades, que insistimos em desistir quando, por fim, a rotina chega.
Detalhe: a rotina só acontece porque nós mesmos não estamos propensos a mudanças drásticas.
Somos confusos, tão receosos da vida, presos em nossos palácios de vidro, atirando pedras e destruindo tudo durante o dia para, à noite, recolocarmos as vidraças tentando arrumar culpados.
Meu querido, quer a receita da felicidade? Não existe! A felicidade das fantasias e dos clássicos românticos , repito, é mera utopia.
Esqueça o seu ideal forjado em nada de que o outro vai sanar os males da sua vida, resolver os seus problemas e ter o visual que você idealiza.
Ele será apenas a pessoa que te trata bem, te escuta e compartilha com você os seus altos e baixos. Pode não ter aquele beijo que queima ou fazer as loucuras na cama que seus pensamentos mais sórdidos fantasiam em seu pensamento, mas é com certeza a primeira pessoa que você pensa quando a vida te apresenta cada pequeno espetáculo maravilhoso do dia a dia.
Viva o melhor dessa relação, por que o outro nunca será você. Ele não sente as suas dores, nem o seu gozo.
Afinal, por mais que durma do seu lado, ele não dorme o seu sono, nem vive o seu sonho. Viva acima de tudo a sua individualidade porque mesmo que acompanhados, todos dormimos sós…

Deixe uma resposta